Michael Bloomberg na Campanha Contra o Cigarro

30 July 2019
Asia Comentada

Quando Michael Bloomberg (foto) reforça a luta contra o uso do cigarro usando um banco de dados online, há que se admirar um empresário como ele, cuja atividade principal está ligada à comunicação social. Um artigo de Alice Hancock, publicado no Valor Econômico, mostra a sua forte convicção, não temendo as pressões de empresas poderosas como a Philip Morris, British American Tabacco e a Japan Tabacco.

Ainda que existam evidências científicas que o cigarro é um vício que estimula o câncer, principalmente no pulmão dos seres humanos, todos sabem que as grandes empresas ainda vivem deste produto, mesmo com o seu consumo a decrescer recentemente de forma sensível. Continuam disseminando informações distorcidas sobre o assunto, como um dispositivo eletrônico que reduziria o seu efeito danoso. Michael Bloombeg lançou um banco de dados chamado Stopping Tabacco Organisation and Products (Stop) para mover uma campanha coordenada mundialmente contra o setor de cigarros. Afirma-se que ele já investiu US$ 1 bilhão desde 2007 neste sentido.

Informa-se que apenas em quatro semanas, o seu consumo caiu 9,8% até 13 de julho último nos Estados Unidos, uma cifra realmente impressionante. A Universidade de Bath, do Reino Unido, fez uma parceria com a Stop.

Diversos processos judiciais de elevada monta estão atingindo as empresas que trabalham com o cigarro. Um Tribunal de Recursos de Quebec condenou as empresas BAT, Philip Morris e a Japan Tabacco em US$ 11,7 bilhões para indenizar as vítimas do cigarro em 2014.

Também no Brasil, os contenciosos deste tipo são significativos, o que também ocorre em Israel e na Nigéria, chegando a bilhões de dólares. O incrível é que não se visualiza nenhum benefício com o uso do cigarro, vendo-se somente como seria mais eficiente ajudar os viciados.